quinta-feira, 27 de novembro de 2014

to voltando pra casa mês que vem. eu sei que, quando começar a revirar e empacotar seis anos de papel acumulado, vou ter que lidar com todos os assuntos mal resolvidos. mas agora eu só consigo pensar que nunca mais passarei fome dividirei máquina de lavar nesta vida.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

a primeira vez que alguém me escreveu um poema foi na era da internet discada. o moço fez um acróstico assim:

Jovem
Unica
Lacradora
Incendeia corações
Arrasa quarteirão
Novinha
Arrasta multidão

ok, eu posso ter improvisado um pouco. na real, eu só lembro do U: Urzes.

Urzes e abrolhos

fiquei impressionadíssima. o moço colou da barsa, óbvio.
a última vez que alguém me escreveu um poema foi há uma década (minha nossa, já conto as coisa com d é c a d a socorro). tava num baile e o gato escreveu no meu bloquinho:

Ju, meu coração
por ti não bate,
capota.

derreti de amor.
ultimamente, se me chama de ~gostosa~ no pé d'ouvido eu já acho poesia pura. inclusive, saudades poesia.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

tava ouvindo o nhém-nhém-nhém da vizinha enquanto estudava e decidi que minha ofensa favorita é *sebosa*, seguida de pertinho de *cretina*.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

um mês pra ler um artigo de 24 páginas. um puta que pariu mês. vou terminar de escrever essa tese em 2025. eu to de parabéns.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

penso no bolo de desaforo que eu não posso cuspir e lembro do meu dentista. gato, muito gato, mas fala gospe. eu sei, variedade linguística etc. tenho vergonha de, com o conhecimento que eu tenho, ainda ter esse tipo de preconceito. mas, cada vez que ele me diz "pode guspir", eu morro um pouquinho.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

não vejo a hora de passar logo da negação pro estágio da raiva pra mandar o moço se fuder. não. vejo. a. hora.
entalada com um bolo amargo de desaforos que eu não posso cuspir.

domingo, 19 de outubro de 2014

eu parei de chorar. parei de entupir o whatsapp da psicóloga de mimimi. eu voltei a estudar. almoço todo dia. casa tá limpa, cesto de roupa suja tá vazio, tomo banho todo dia. cabelo tá limpo, acho. mas eu durmo muito. durmo 12h por dia. sabe o que eu acho? eu acho é poco. inclusive, vou ali dormir mais um bocadinho que eu ganho mais.
*encontro nacional da família T.*
cês tão é louco.
domingo, dia oficial do ~queria estar morta~.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

8 da manhã e eu chorando na parte do relaxamento do body balance. chorando copiosamente, a ponto da professora vir me acudir. não aguento mais. e eu achei que já tinha secado. achei que meu coração já tava tão castigado que não poderia mais ser quebrado desse jeito. eu não sinto raiva de mim, não posso me desculpar por ser quem eu sou. mas eu não consigo entender como alguém pode fazer isso. não aguento mais. faz parar, gente.
fiquei remoendo as palavras do moço. não quero te fazer mal não posso te dar o que você merece e todas aquelas desculpinhas esfarrapadas que eu to cansada de ouvir escritas assim tudo junto de carreirinha sem ponto sem vírgula sem dó. eu poderia ter corrigido a pontuação do texto e reenviado pro moço, se eu não tivesse deletado tudo na hora. mas eu não dou aula de graça. e acho que eu já tinha despejado toda a merda entalada. as pequenas coisas que você vai relevando por motivos de: que pele, que boca, afe o conjunto todo. mas nem todo *covarde*, *egoísta*, *moleque* desse mundo seria cruel o bastante pra dor de uma rejeição. porque eu sou sempre cruel nessas horas. e patética. terminei com um ~adeus~. tava pensando que eu sempre quis terminar uma carta com ~adeus~ e me lembrei que já fiz isso. circunstância diferente, mesmas desculpas rotas. eu já era patética a dez anos atrás. 

eu ainda não superei. passei uma semana de merda. dá pra ver na minha pele, toda estragada. não comi direito, não dormi direito, não trabalhei direito. agora eu penso que talvez, só talvez, eu tenha me apegado a ideia da relação. de ter alguém que me acorde com mensagem de bom dia. que me pergunte como foi meu dia. que tenha um abraço que me caiba inteira. que diga que eu sou linda. que me faça sentir linda. acho que é o que dói mais. 

passei a madrugada escrevendo. deitei pra dormir já de manhã. tava rolando na cama, remoendo aquelas frases mal escritas, quando a minha mãe me liga e bota as crianças pra falar comigo. matheus tinha ido na escola e tava comendo banana com mel. tiago tava ajudando minha mãe a fazer almoço. lavou as verduras, cortou tomate, lavou o arroz, mexeu com a mão assim. perdeu dois dentes. tava lendo meu livro do maurício de souza. e eu fui feliz de novo. eu renasci. e eu agradeci minha mãe em pensamento por me lembrar do que o amor é feito.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

nada me tira mais do sério do que homenzinho de merda decidindo o que eu ~mereço~. pior, decidindo se pode ou não me dar o que eu ~mereço~. me bota louca. 

***
eu me apaixono. perco o chão, as rédeas, a vergonha. moço não aguenta meu jeitinho e foge. quebra meu coração. eu nego, invento desculpas, tento encontrar justificativa. então eu caio em mim e me desespero e choro até murchar. sinto raiva de mim por ter me entregado desse jeito, xingo feito uma vadia louca. e aceito. aí vem essa sensação de alívio, de libertação mesmo. enfim posso voltar à minha vida morna e cinza, amém.

domingo, 17 de agosto de 2014

a pessoa não se contenta em apenas fazer merda. tem que sentar na merda e rebolar.
putaquepariu, viu.

domingo, 10 de agosto de 2014

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

tava vendo a última temporada de the killing. numa certa hora, a coronel diz pro holder que 'limpeza é uma questão de respeito próprio'. minha casa tá um lixo e acho mesmo que ontem não tomei banho. reflitão.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

tava ardendo de febre ontem e mandei sms pro moço. aqueles. to cansada quero ir embora num guento mais quero café odeio domingo cansei cansei cansei mimimi. moço tá em silêncio até agora, claro. 
pronto, caguei tudo. 

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

(pode pular esse post que é sobre cocô. vai ler a linda da raquel.)

descarga da privada tá com problema faz uma semana. to usando um baldinho. ainda não chamei o moço da manutenção porque eu não tive coragem de fazer faxina porque eu não vou lavar banheiro nesse frio do capeta E PORQUE EU TENHO QUE ESCREVER A PORRA DE UMA TESE e a casa tá um lixo e o moço vai saber achar que eu sou porca. daí toda vez que eu saio eu tenho medo de voltar e a casa tá inundada de cocô.

quero a minha mãe.

domingo, 27 de julho de 2014

to apaixonada. daquele jeito de revirar o estômago, tremer as pernas, suspirar pelos cantos. de escrever cartinha cafona. socorro?

sexta-feira, 20 de junho de 2014

acaba o dinheiro e ainda tem mês sobrando. tá ficando meio chato isso.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

minha maior preocupação na vida: quanto tempo falta pra me aposentar. meu plano pro futuro: ser aposentada.

meu pai diz que eu sou ~estudante profissional~. 14 anos nessa vida infeliz acadêmica, produzindo conhecimento inútil. isso deveria contar como tempo de contribuição pra aposentadoria, só acho.

pessoa pergunta o que eu faço da vida e eu digo: sou aposentada da faculdade. meu sonho.

terça-feira, 17 de junho de 2014

eu ainda não digeri a sessão constrangedora de ontem. to aqui fazendo uma listinha de tudo que ficou entalado pra dizer pra orientadora. claro que eu vou cultivar essa mágoa até virar úlcera e, daqui um mês, ela vai me dizer qualquer bosta, vou voltar pra casa chorando e etc. eu sou um sucesso.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

to qualificada. o texto tava uma bosta, orientadora me cobrou análise sem ter lido o texto, professora da banca me criticou por ter escrito exatamente o que ela me pediu, me bateram de todos os lados, voltei pra casa inchada de tanto chorar, mas enfim. to qualificada. parabéns aos envolvidos (só euzinha mesmo).

quarta-feira, 14 de maio de 2014

metade de mim é desespero. a outra metade é cansaço. e tem ainda a metade que é preguiça pura.
(sou de humanas, não sei fazer conta. me deixa.)

terça-feira, 13 de maio de 2014

segunda-feira, 12 de maio de 2014

eu to muito fudida. sério, dá nem pra começar. mas a pior parte é não ter sossego nesse cortiço. barulho de tv telefone geladeira microondas ventilador secador liquidificador despertador às 5h, às 6h, às 7h, às 9h. vizinho pregando via skype toda terça, toda quinta, todo domingo. vizinho cantando assoviando batucando sapateando de dia, de tarde, de noite. vizinho vomitando no tanque. vizinho gargalhando com cassetadas do faustão. vizinha trepando gemendo gritando de madrugada, de dia, de tarde, de noite. vizinho roncando mijando peidando. 

puta.

que.

me.

pariu.

que triste essa vida que cê não pode nem peidar sem vizinho saber.

quarta-feira, 26 de março de 2014

meu maior medo é acabar que nem minha tia. ser encontrada de madrugada vagando pela rua, com uma mala na mão, falando sozinha. ser internada à força e passar meus dias fazendo bijuteria de miçanga cafona. pavor.

terça-feira, 25 de março de 2014

fui fazer inscrição pra um concurso de professor e um dos requisitos é: avaliação psiquiátrica.
fudeu, moçada.

segunda-feira, 17 de março de 2014

meu sobrinho de 5 anos perguntou pra minha mãe porque eu durmo tanto. a tia dorme tanto, tiago, pelo mesmo motivo que lê um livro em qualquer lugar público: pra fugir. pra não ter que encarar o mundo. na real, a tia só tem vontade de sair da cama por vocês. só por vocês.

(minha mãe disse que eu durmo muito pra ter energia pra brincar com eles. a versão mais bonita.)

sábado, 8 de março de 2014

eu to há 3 dias acompanhando uma denúncia de estupro no grupo da faculdade no facebook. é de chorar tanto comentário desacreditando e culpando a vítima. sério, quero morrer. que mundo triste esse.

domingo, 23 de fevereiro de 2014

tão bom ter uma rotina, né, gente? numa semana, eu durmo às 8 da noite e acordo às 6 da manhã, faço refeições saudáveis, leio, escrevo e vou pra academia. na semana seguinte, eu durmo às 2 da tarde, acordo às 10 da noite, me entupo de pizza e hambúrguer, enquanto assisto série. na próxima semana, sei lá. estudo até 5 da manhã, como café, durmo até uma da tarde e vou pra faculdade sem almoçar. super divertido. cês deveriam experimentar.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

aquele momento gostoso em que você tá toda envolvida no movimento - alonga perna direita, dobra perna esquerda, estica braço direito, dobra braço esquerdo nas costas, aperta bumbum, alinha pescoço - e cai de bunda no chão na aula de body balance. delícia.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

to aqui essas hora preparando seminário ~interno~. tenho que apresentar minha pesquisa pra orientadora e pros coleguinhas. quer dizer, to aqui me borrando inteira e não vou ganhar nenhuma linha no lattes. (porque todo mundo sabe que o que importa nessa vida é certificado pra enfiar no lattes.)

não vejo a hora de acabar sabosta. não. vejo. a. hora.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

você acha que tá tudo certo porque tá tomando remedinho e consegue sair da cama todos os dias e toma banho e não perde compromisso. daí você se distrai e tá lá aquela tristeza sem fim te roendo por dentro. 

nunca vai embora.

sábado, 1 de fevereiro de 2014

enjoei. da pesquisa, do curso, da faculdade, das pessoas. cansei dessa merda toda. como faz pra parir uma tese desse jeito? entrega pra deus? 

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

fui comprar material escolar pras crianças e acabei comprando umas coisinhas pra mim. fato é que agora eu tenho material pra uma nova graduação. e uma especialização. to meio que odiando ter que fazer mais uma disciplina neste semestre, mas enfim, posso usar meus lápis de caveirinha e meu apontador com glitter. prioridades.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

resumo das férias: engordei.
cabô, to de volta.


cês tão ouvindo?

·.¸¸.·´¯`·.flap·.¸¸.·´¯`·.flap·.¸¸.·´¯`·.flap·.¸¸.·´¯`·.flap·.¸¸.·´¯`·.flap·.¸¸.·´¯`·.flap·.¸¸.· 

isso mesmo, é a água batendo na minha bunda.

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014